Homologação de Títulos

Bem, então vamos lá actualizar o blog, que conteúdo não me falta!

Vou começar por descrever o que se passou na Segunda e ontem e só depois relato sobre o fim-de-semana.

Há duas semanas comecei a procurar tradutores oficiais. O único que me falou e escreveu em português (e inclusive o mais barato) foi o que eu escolhi para me traduzir o Diploma e o Certificado de Habilitações, documentos que queria homologar.

000000000000000000000000000000000000000

000000000000000000000000000000000000000

SEGUNDA-FEIRA

Esta Segunda (27 de Abril) o tradutor contactou-me a informar que a tradução estaria pronta e poderia ir buscá-la a partir das 10h. E assim foi: por três páginas paguei 60€!

Depois, dirigi-me aos serviços onde deveria entregar estas traduções, fotocópias dos documentos originais, do meu NIE e do meu Cartão do Cidadão, além de um impresso preenchido. Aí compulsariam (basicamente é pôr um carimbo e uma assinatura, afirmando que cada fotocópia é uma cópia exacta e fiel do documento original) todos estes documentos e enviariam tudo para o Ministério da Educação, em Madrid.

Assim, lá fui eu à Delegación Provincial de Educación, cheia de optimismo e esperança.

Antes de descrever a aventura do dia, gostaria de acrescentar uma pequena nota: há pessoas incompetentes em todo o lado!!! Eu pensava que por Espanha ser um país mais desenvolvido que Portugal seria também mais eficiente! Mas não! Só são maiores, mais ricos e com uma economia muito melhor pensada que a nossa! Porque de resto… São igualmente burocráticos, ineficientes, e morosos! Os serviços públicos também são lentos e preguiçosos. Também ninguém sabe de nada e confiam no ‘diz que disse‘. Andamos de um lado para o outro, de delegação em delegação, a tentar saber quem tem razão. Há ainda aqueles que, além de serem incompetentes, são antipáticos, como se lhes devêssemos alguma coisa. E, apesar de aqui os serviços públicos só funcionarem das 9h às 14h, há sempre pessoas que deixam o trabalho para ir tomar café quando têm uma imensa fila de pessoas à sua espera. Enfim… só muda a língua, porque as pessoas são as mesmas!

Críticas e frustrações aparte, vou-vos contar o que realmente aconteceu:

Chego e tenho de esperar, pois já estão a ser atendidas duas pessoas. Meia hora depois, uma senhora sai do escritório e entra na sala de espera (onde já estão mais 3 pessoas) a perguntar quem está primeiro. Sou eu. Pergunta-me ao que venho e depois de lhe dizer pergunta-me se tenho tudo o que é necessário. Digo que sim, pois já tinha vindo 2 vezes para tirar dúvidas. Aproxima-se de mim e pede-me para ver tudo o que tenho. Diz que não tenho o pagamento feito. E eu respondo que pois não porque pensava que se tinha de pagar aqui. Ela diz que não, que tem de me passar um recibo, para eu pagar no banco e depois voltar com o recibo carimbado pelo banco. Passa-me um recibo e assinala que tenho de pagar 90,09€. Eu estranho e digo-lhe que da última vez que cá estive uma outra senhora tinha-me dito que era apenas 45,05€. “Não. És licenciada, por isso pagas mais.” E eu volto a questionar. E explico que sou licenciada sim e que quero homologar para ser Maestra Infantil. Ela mantém-se na dela e pronto, lá vou eu ao banco pagar.

Pus-me na fila. Quase a chegar a minha vez, lembrei-me que não tinha dinheiro (pois tinha levado à conta para a tradução e para isto). Saio da fila e vou levantar dinheiro da minha conta portuguesa e pagar taxa… (ainda não tenho conta espanhola porque não tenho uma fonte de rendimento, uma nomina) Lá consigo pagar os 90 e tal euros…

Volto à sala de espera, onde entretanto já estavam mais pessoas à espera e eu tive que ficar para último. Depois de terem sido todas atendidas, chega a minha vez de ser chamada para entrar no escritório, onde sou muito bem recebida. A senhora de há pouco recomeça a ver os meus documentos e apercebe-se de uma coisa: realmente, eu só tinha de pagar 45€ !!! [Isto porque, aqui em Espanha, para se ser Maestra Infantil (educadora de infância) só se precisa de um curso de 3 anos. Assim, vou fazer com que o meu curso de licenciatura de 4 anos corresponda a um curso de bacharelato de 3 (que aqui corresponde igualmente a uma licenciatura, mas chama-se diplomatura). Vou passar de licenciada  em Portugal, a diplomada em Espanha. Tudo isto porque o processo de Bolonha ainda não foi estabelecido na totalidade. Quando o for, posso pedir outra homologação (a tal de 90,09€) que me dará logo equivalência ao grau de Mestre em Portugal e Licenciado em Espanha.]

A senhora, muito simpática e atrapalhada, disse-me para voltar ao banco com outro recibo (de 45,05€) e pedir que me devolvessem a diferença. Disse-me para escolher o homem, não a mulher loira super antipática (precisamente a que me tinha calhado há pouco). Disse-lhe que não poderia escolher, ficava na fila e esperava por ser atendida e pronto. Lá fui eu ao banco, com um pouco de vergonha e embaraço e frustração. Quem é que me atendeu? A loira, pois está claro! Expliquei-lhe a situação, do equívoco da funcionária. Perguntou-me se tinha feito o outro pagamento há pouco tempo e eu disse-lhe que até tinha sido com ela… Lá procurou o recibo, mexeu um pouco no computador, aceitou-me este novo recibo, rasgou o outro e deu-me o dinheiro de volta!!!

Voltei ao escritório, onde a senhora simpática e atrapalhada me esperava. Disse-me: “Falta-te aqui o CAP. Para trabalhares tens de ter o CAP.” Sim, tenho-o aqui, mas o meu curso já me dá a formação de que necessito para trabalhar com crianças. O CAP em Portugal serve para dar formação a adultos. Aliás, é um curso completamente distinto da minha licenciatura e foi feito numa empresa privada, onde paguei bastante para o ter. “Sim, aqui também. Desde que a empresa seja homologada. Aqui em Espanha todos os professores têm de ter o CAP.” Então, mas eu não o traduzi… “Não faz mal, porque este não precisa de ser homologado, porque vale exactamente o mesmo aqui. Eu tiro-te uma cópia, sinto-me tão mal por te ter induzido em erro quanto ao dinheiro.”

Depois de estar tudo certo e arrumado disse-me admirada: “Olha, agora é que eu percebi, tu és portuguesa!” E eu com cara de parva… pois foi isso que sempre disse, até porque tinha reclamado várias vezes que pensava que por ser portuguesa não precisava da homologação. E continuou: “Como és portuguesa, não precisas da homologação para trabalhar (e eu já furiosa a espumar) no privado (ah mas no público preciso?). Só para te candidatares a um trabalho do sector público é que necessitas da homologação. Para o resto podes simplemente pedir um reconhecimento. É mais rápido e não pagas nada.” (Mas estão a gozar comigo ou quê??? Andamos aqui a brincar???) Perguntei-lhe o que era necessário para fazer o tal reconhecimento e explicou-me que precisava esxactamente dos mesmo documentos, mas um impresso diferente. E então eu perguntei: e a tradução? Tenho de pedir outra? Não pode ir uma cópia? “Ah não, tem de ser original!”

Voltei para casa super furiosa e, para ajudar, apanhei uma senhora molha. Cheguei a casa já passava das 14h ensopada, a escorrer água por todos os lados (até roupa interior estava molhada).

Contactei o tradutor e descrevi-lhe a situação. Informou-me que cada cópia custaria 25% do preço total da tradução, ou seja, 15€. Combinei encontrar-me com ele no dia seguinte (Terça, 28 Abril) a partir das 12h.

000000000000000000000000000000000000000

000000000000000000000000000000000000000

TERÇA-FEIRA

Depois de ter recolhido mais uma cópia da tradução dirigi-me, outra vez, à Delegación Provincial de Educación. Desta vez não esperei muito e não tinha ninguém para ser atendido antes ou depois de mim. Recebeu-me uma senhora não muito simpática, mas prestável e… competente!!! Viu todos os documentos, compulsou-os na hora e disse: “Não precisas de me dar a tradução original, pode ser uma cópia.” Mas a senhora de ontem disse-me que tinha de ser original… “Hum… espera aí. (foi falar com o seu superior, o Director dos serviços) Sim, não precisas de enviar o original, basta uma cópia.” Chega o director à sala e explica-me: “Pedimos desculpas pelo equívoco, mas não precisava de ter ido buscar outra tradução. Bastava a cópia. Se bem que eles (referindo-se ao Ministério da Educação) no final do processo devolvem toda a documentação. Mas entretanto pode precisar da tradução para outras coisas e, por isso, nunca enviamos a versão original.”

Assim, tive de sair para ir fotocopiar a tradução, que ali não podem tirar fotocópias às pessoas que atendem. Paguei 25 cent. por cada página! Entretanto, no elevador, encontrei a tal senhora simpática e atrapalhada. Disse-lhe que ontem poderia ter dado uma cópia da tradução, que não precisava de ter ficado com a original.

Volto ao escritório onde é tudo finalizado. Já à saída, entra a tal  senhora simpática e atrapalhada. Diz-me que, como o processo ainda não seguiu para Madrid, vai tirar uma cópia da tradução e devolver-me a original. Quebrou a regra das fotocópias e lá me deu a tradução.

000000000000000000000000000000000000000

000000000000000000000000000000000000000

E agora sim, tenho duas cópias originais da tradução dos meus documentos, uma homologação e um reconhecimento do meu título em processo. Isto vai demorar meses, mas não me souberam dizer quantos.

5 respostas a Homologação de Títulos

  1. inge diz:

    podes crer, que paciência…
    já passou agora é preciso pensar positivo.

    beijinhos

  2. Helena diz:

    isto ha cada coincidencia!!!
    o meu nome é Helena,tal como tu tambem sou licenciada em Educação de Infância,tambem fiz as malas e rumei para espanha e tal como tu tambem estou a viver na corunha…a unica e grande diferença é que não estou a trabalhar em educação,,,porque ainda não pedi a homologação mas pelo que li aqui basta só o reconhecimento ???podes-me dizer quais sao os documentos que temos que apresentar ? porque se nao me irformar bem, acho que vou viver exactamente aquilo que descreveste aqui…..
    obrigada

    • lenagrosso diz:

      Olá Helena! Que estranha coincidência! Um dia destes temos de nos encontrar!

      Bem, respondendo às tuas questões:

      1. Aqui a educação infantil divide-se em duas etapas:
      escuelas infantiles > 0-3 anos, nas quais trabalham educadoras infantis, sem curso universitário, mas também podem trabalhar maestras infantis
      colegios > 3-6 anos, nas quais só podem trabalhar maestras infantis, com curso universitário

      Se nós pedirmos a homologação podemos trabalhar em ambas as etapas, já que nos atribuem a designação de Maestra (porque o nosso curso é de 4 anos).

      2. Depois, existem os diferentes tipos de escolas/colégios: privados, concertados (com subsidios do estado), municipais (públicas com gerência privada) e públicas (para conseguires trabalhar numa pública é muito complicado uma vez que para além do curso de maestra terias de fazer exames e passá-los com muito boas notas de forma a ficares à frente de todas as maestras que também se candidataram. Basicamente é o mesmo sistema que em Portugal, só que com um exame para complicar mais as coisas).

      3. As diferenças entre o reconhecimento e a homologação são muito simples: o primeiro é gratuíto e permite-te trabalhar em escolas privadas, concertadas e municipais (segundo o que me disseram lá na Delegación Provincial de Educación); a segunda permite-te trabalhar onde quiseres, mas custa-te dinheiro. Para fazeres qualquer um dos dois vais ter de pagar a um tradutor oficial para te traduzir todos os documentos que se referem à tua licenciatura portuguesa.

      Mas não duvides, mesmo com toda a ajuda que eu te possa dar, vais ter de andar de um lado para o outro e lidar com pessoas incompetentes ou simplesmente preguiçosas…

      Antes de mais nada, o que tens de fazer é ir à Delegación Provincial de Educación, que fica na rua Durán Loriga (transversal com a Juana de Vega, mesmo ao pé da Plaza de Pontevedra).

      Depois escolhes um tradutor da lista que lá te dão. Preenches o formulário e levas fotocópias de todos os teus documentos (B.I., NIE, traduções e documentos em português), que ali não podes tirar fotocópias.

      E pronto, voltinhas praqui voltinhas pracolá, alguns meses depois terás a tua homologação/reconhecimento. Ah, quando pensas que já tudo está concluído, recebes uma carta em casa do Ministério da Educação Espanhol a dizer que precisa de um documento expedido pelo Ministério da Educação Português a afirmar que a tua licenciatura é válida. Mas isso é só lá mais para adiante, não te preocupes.

      Espero ter esclarecido as tuas dúvidas!

  3. Helena diz:

    Olá, novamente..obrigada pelo esclarecimento, ajudaste e muito porque eu ouvia falar de educadoras infantis sem curso universitario e isso fazia-me uma certa confusão…sim aqui o sistema educativo é realmente diferente…obrigada pela ajuda e cá vou eu preparar-me para o filme …sim porque tratar dessa papelada toda ja estou a ver!!!!
    aproveitei e vi os teus trabalhos,,,bem acho k a coruña estava a precisar de novas ideias e muito criativas…espero que tenhas muito sucesso e quem sabe um dia a gente não se encontre!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: